Continua depois da publicidade

Ao prever acidente, motorista salta de carreta em movimento e tem desfecho trágico

As causas do acidente estão sob investigação.

Um grave acidente que teve como cenário a rodovia SC-477 provocou uma tragédia que mudou o destino do condutor de uma carreta para sempre.

De acordo com as autoridades responsáveis por atenderem a ocorrência o acidente aconteceu no fim da tarde desta última terça-feira (6), na área urbana de Benedito Novo, cidade localizada no interior do estado de Santa Catarina.

O motorista de 29 anos, que conduzia a carreta previu que o veículo de carga iria se acidentar no trecho da serra Koprowski, e desesperado optou por saltar do caminhão em movimento.

O caminhão estava transportando uma carga de pedras e perdeu os freios, em certa altura da rodovia tombou. Ao chegarem no local, os socorristas encontraram o motorista fora do veículo, consciente e lúcido, sentado à beira da estrada.

Segundo informações fornecidas pelos socorristas do Corpo de bombeiros, o motorista apresentava aumento dos batimentos cardíacos e pressão arterial desregulada.

No momento da chegada dos bombeiros ao local, o motorista foi encontrado com as pernas amputadas. Ele foi transferido por meio de uma aeronave para receber tratamento médico em uma unidade hospitalar mais próxima.

De acordo com informações prestadas por testemunhas do acidente que envolveu a carreta, o veículo teria perdido o controle dos freios enquanto descia pela serra, levando o motorista a tentar escapar do veículo.

Com o intuito de conter o sangramento, os bombeiros aplicaram dois torniquetes nas pernas do motorista, com o objetivo de evitar um choque hemorrágico.

Posteriormente, o motorista foi levado até o heliporto de uma empresa, onde a equipe médica do Arcanjo-03 assumiu o cuidado do paciente, fornecendo um tratamento avançado com medicamentos específicos.

Após a operação de resgate, os bombeiros retornaram à SC-477 para proceder com a limpeza da pista e conter qualquer vazamento de combustível.

Compartilhe este artigo
Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *