Continua depois da publicidade

Quem são as vítimas da mesma família que perderam a vida em um acidente trágico supostamente causado por uma ultrapassagem proibida

As causas do acidente estão sob investigação.

Uma enorme tragédia se abateu sobre uma família, na noite desta última quarta-feira (17). O caso ganhou destaque e uma enorme repercussão após se tornar notícia nos principais portais de notícias do Brasil.

Um grave acidente de trânsito que teve como cenário a rodovia BR-116, em um trecho que fica na altura da cidade de Milagres, localizada a cerca de 245 km de Salvador, capital do estado da Bahia.

De acordo com as autoridades competentes que atenderam a ocorrência, a colisão entre carro e uma carreta, deixou cinco vítimas fatais, todos da mesma família.

Conforme relato da Polícia Rodoviária Federal (PRF), o incidente ocorreu no KM 554, da BR-116, aproximadamente às 20h30. Todas as pessoas que morreram estavam no veículo. Elas foram identificadas como:

  • Flávio Costa Silva, de 41 anos (pai de duas crianças e tio da outra – condutor do carro);
  • Eunice Ribeiro de Jesus Costa, de 31 anos (mãe de duas das crianças e tia do adolescente)
  • Íngrid Flávia Ribeiro Costa, de 10 anos (filha do casal);
  • Bernardo Flávio Ribeiro Costa, de 8 anos (filho do casal);
  • Gabriel Pereira Silva Trevisolo, de 16 anos (primo das crianças e sobrinho do casal).

O grupo familiar teria partido da cidade de Jequié, sua cidade de residência, com destino a Salvador, onde planejavam participar de uma festa de aniversário.

O condutor do caminhão deixou a cena do acidente, e os agentes da Polícia Rodoviária Federal  sugerem que a possível causa tenha sido uma ultrapassagem indevida. Contudo, o incidente está sendo investigado.

A Polícia Rodoviária Federal comunicou que os peritos forenses foram mobilizados e dirigiram-se ao local do acidente para realizar os procedimentos necessários, visando coletar indícios para a investigação das circunstâncias do acidente e, posteriormente, para a liberação dos corpos.

Compartilhe este artigo
Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *