Continua depois da publicidade

VÍDEO: Cantor sertanejo que faleceu em cirurgia cardíaca conviveu com transtorno que o fazia ver tragédias: ‘via as pessoas judiando’

O cantor faleceu com 41 anos, no auge de sua carreira.

Entre os anos de 2013 e 2015, João Carreiro, cujo falecimento ocorreu nesta quarta-feira (3) em Campo Grande, esteve ausente dos palcos devido ao tratamento de uma depressão e um quadro severo de Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC).

Após a conclusão do tratamento, o cantor sertanejo compartilhou abertamente sobre a experiência com a doença e os passos que tomou para superá-la.

Durante uma entrevista no programa “Encontro”, quando Fátima Bernardes ainda estava à frente do programa diário da Globo, João Carreiro recordou que recebeu o diagnóstico em setembro de 2012, período em que estava no auge de sua carreira, ao lado de Capataz.

A gravidade da depressão era destacada pelo cantor durante sua vida. No que diz respeito ao Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC), João Carreiro enfrentava um quadro específico, manifestando-se através de alucinações e repetições de fragmentos de suas experiências.

Durante sua participação no programa “Encontro”, Carreiro compartilhou que tinha visões recorrentes de tragédias em sua mente.

“Quando decidi interromper, acreditava que todos pensavam que eu estava mentindo. Eu via as pessoas que eu amava, aqueles mais próximos, me causando mal e até mesmo tirando minha vida.”

Para assitir o vídeo CLIQUE AQUI!

Em 2015, João Carreiro fez seu retorno aos palcos após passar por dois anos de acompanhamento psicológico e psiquiátrico. No decorrer da conversa, o cantor sertanejo destacou que foi somente por meio da assistência médica que conseguiu compreender as complexidades das doenças.

Na última quarta-feira (3), João Carreiro, veio a óbito em uma unidade hospitalar que fica na cidade de Campo Grande, capital do estado de Mato Grosso do Sul, enquanto passava por uma cirurgia cardíaca extensa, com duração superior a 12 horas. A intervenção visava implantar uma válvula no coração.

Compartilhe este artigo
Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *